AccueilSeminário de Ciênca Politica do Instituto das Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (2010-2011)

*  *  *

Publié le vendredi 10 décembre 2010 par Marie Pellen

Résumé

Seminário de Ciênca Politica do Instituto das Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (2010-2011)

Annonce


03-12-2010, 15:00,

Sala Polivalente

Portugal e o Desenvolvimento da "União da Segurança e Defesa": Europeização a Trés Dimensães

Nota biográfica: Laura C. Ferreira Pereira, Professora Associada de Ciência Política e Relações Internacionais do ISCSP da Universidade Técnica de Lisboa. É Doutora em Relações Internacionais pela University of Kent at Canterbury, no Reino Unido. Entre 2003 e 2004, foi Auditora do Curso de Defesa Nacional. Entre Abril 2004 e 2010 foi Directora do Núcleo de Investigação em Ciência Política e Relações Internacionais (NICPRI) da Universidade do Minho e Coordenadora Científica da Revista ‘Perspectivas'. Em Setembro de 2004, foi eleita a primeira representante portuguesa no Steering Committee do Standing Group on International Relations do European Consortium for Political Research (ECPR), cargo que mantém na sequência da sua reeleição em Setembro de 2007. Autora dos livros ‘A Áustria e a Integração Europeia' (2002), Os Estados Militarmente Não-Aliados na Nova Arquitectura de Segurança Europeia (2007) e Inside the Fence but Outside the Walls: The Militarily Non-Allied States in the Security Architecture of Post-Cold War Europe (2007), tem já publicados vários artigos em revistas nacionais e internacionais de referência.

14-01-2011, 15:00,

Sala Polivalente

Modelos de representação polótica: o caso da representação de grupos

Sumário: A ideia de representação foi historicamente central à conceptualização da forma como diferentes grupos se podem organizar e funcionar em diferentes esferas da vida social - religiosa, económica, política. De que forma se distingue a representação de grupos da representação de indivíduos? Podem os grupos ser representados enquanto tal? Em que medida, e de que forma, a natureza do grupo representado, e os objectivos prosseguidos através da sua representação, condicionam o tipo de representação a adoptar? Estas são algumas das questões que este seminário se propõe desenvolver, recorrendo à problematização e análise de casos empíricos concretos.

Nota biográfica: Mónica Brito Vieira é Investigadora Auxiliar no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e Professora Convidada no Murray Edwards College, Universidade de Cambridge. Licenciada em Relações Internacionais, iniciou a sua carreira académica como Assistente Estagiária na Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa, no Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE), e na Universidade Católica Portuguesa, onde, após a licenciatura, realizou um Mestrado em Teoria Política. Doutorada em História do Pensamento Político pela Faculdade de História da Universidade de Cambridge, com uma dissertação sobre o conceito de representação em Thomas Hobbes (1588-1679), é também mestre em História Intelectual  e História do Pensamento Político, pela mesma Universidade.  Em 2005, findo o doutoramento, foi eleita Stipendiary Junior Research Fellow em História do Pensamento Político e Teoria Política no Murray Edwards College (à altura, New Hall), Universidade de Cambridge, onde, além de investigadora, foi tutora nas mesmas áreas. Leccionou igualmente na Faculdade de História da Universidade de Cambridge, em que continua a leccionar regularmente. As suas áreas de especialização são geminadas, e incluem a história do pensamento político, a teoria política contemporânea (sobretudo, teorias do Estado, democracia, representação e cidadania) e a história intelectual. As suas obras recentes têm incidido sobre o conceito de representação (política, mas não só), tendo publicado dois livros sobre o tema: Representation (2008, Polity Press), co-autoria de David Runciman, e The Elements of Representation in Hobbes (2009, Brill). É também autora de diversos capítulos em livro e artigos internacionais em revistas de referência, designadamente no Journal of the History of Ideas e no History of Political Thought.

11-02-2011, 15:00,

Sala Polivalente

Desempenho do sistema eleitoral autórquico português (1979-2009)

Sumário: A comunicação abordará o desempenho do sistema eleitoral autárquico em cinco dimensões: a competitividade das eleições, o efeito indutor na participação eleitoral, a governabilidade (formal) dos executivos municipais e a proporcionalidade do sistema (em perspectiva comparada com outras eleições nacionais).

Nota biográfica: Manuel Meirinho é Professor Associado com Agregação (Ciência Política) no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa. Lecciona e investiga nas áreas da participação política e cidadania, representação política, sistemas eleitorais e comunicação política.

25-03-2011, 15:00,

Sala Polivalente

Constitutional Design and Judicial Stability in Latin America

Sumário: This paper explores how the design of judicial institutions has affected the stability in office of Supreme Court and Constitutional Tribunal justices in 17 Latin American countries between 1900 and 2009. The paper discusses the legal evolution of Latin American high courts during the twentieth century, and presents a statistical analysis of the survival of justices in office. The conclusions emphasize the impact of institutional rules and non-institutional factors on judicial independence, and the relevance of judicial stability for democracy.

Nota biográfica: Aníbal Pérez Liñán is Associate Professor of Political Science and member of the Center for Latin American Studies at the University of Pittsburgh.  His work focuses on issues of institutional design and democratization. He is the author of Presidential Impeachment and the New Political Instability in Latin America (Cambrige University Press, 2007).

18-04-2011, 15:00,

Sala Polivalente

Realidade ou mito: o poder do carisma na política

Sumário: A liderança carismática tem estado no centro de muitas discussões, teorizações e demonstrações empíricas. Originalmente um termo religioso, "dom ou graça", a introdução do carisma no mundo das ciências sociais deve-se a Max Weber. O sociólogo alemão definiu a relação carismática como uma relação pessoal e emocional entre líder e seguidores, a qual implica a "rendição" dos seguidores às qualidades heróicas e salvíficas do líder, em tempos de crise e convulsão. Esta caracterização do líder carismático como alguém com um sentido de missão para revitalizar ou salvar um determinado grupo, tem na generalidade persistido na literatura carismática. A minha intervenção visa debater se esta visão sobre o carisma na política, e na sociedade em geral, continua a fazer sentido, num mundo aparentemente mais desmistificado, racional, e tecnocrático.

Nota biográfica: José Pedro Zúquete was born in Leiria, Portugal. He has a BA in history and a PhD in political science. His research focuses on comparative politics, leadership and globalization studies. Zúquete has studied and worked at the University of Coimbra, the University of Rome, Bath University, University of New Sorbonne and the University of Washington, in Seattle. He was a visiting scholar at Boston University and a post-doctoral fellow at Harvard University. Zúquete is a research associate of the Globalism Research Center, at RMIT University, in Melbourne. At ICS Zúquete is working on a book about the leadership of the Portuguese politician Francisco Sá Carneiro.

13-05-2011, 15:00,

Sala Polivalente

Social Trust, Social Well-being and Corruption: What do we Know?

Sumário: Does a more generous welfare state make people happier and increase their life satisfaction? Available empirical research gives a clear and positive answer to this question. This goes counter to many arguments that the welfare state creates a culture of dependency, leads to heavy-handed bureaucratic intrusions into private life, creates problems concerning personal integrity, is bad for economic growth, implies stigmatization of the poor, and crowds out civil society and voluntarism. This counterintuitive result is explained by to which degree social programs are universal in the coverage and structure. Four common misunderstandings of universal welfare states are discussed and refuted: This it is too costly for the economy, that it can not be combined with individual choice, that it does not redistribute in favour of the poor and that it should be detrimental to economic growth. Using a "social mechanism" approach, it is argued that the relation between subjective well-being and universal welfare states operates in a complicated causal pattern with two other variables, the degree of corruption and the level of social trust in society. This approach is used to explain why empirically, countries tend to cluster so that countries with large and mostly universal welfare state programs also have low levels of corruption, a high degree of social trust, and high levels of happiness and social well-being. And vice versa, why countries with smaller welfare systems tend to be higher on corruption, have lower levels of social trust, and lower levels of social well-being.

Nota biográfica: Bo Rothstein holds the August Röhss Chair in Political Science at University of Gothenburg in Sweden where he is head of The Quality of Government Institute. He has been a visiting scholar at the Russell Sage Foundation, Cornell University, Harvard University, Collegium Budapest Institute for Advanced Study, the Australian National University and the University of Washington in Seattle. Among his publications in English are Social Traps and the Problem of Trust (Cambridge Univ. Press 2005), and Just Institutions Matters: The Moral and Political Logic of the Universal Welfare State (Cambridge Univ. Press 1998) and The Social Democratic State (Univ. of Pittsburgh Press 1996). His articles have appeared in journal such as World Politics, Governance, Comparative Politics, Scandinavian Political Studies, American Behavioral Scientist and Comparative Political Studies.

20-05-2011, 15:00,

Sala Polivalente

Future of Comparative Politics

Seminário a realizar em Maio de 2011. Data a confirmar.

Nota biográfica: Hans Daalder (1928) was Professor of Political Science at Leiden University in the Netherlands from 1963 to 1993. He was one of the eight founders of the European Consortium of Political Research in 1970 and followed its first Chairman Stein Rokkan as Chairman from 1976 to 1979 while he served as the first Head of the Department of Political and Social Sciences of the newly established European University Institute in Florence, Italy. He organised four one-month Summer Schools on Comparative European Politics in Florence from 1979-1982 which brought major scholars in that field together with young university lecturers throughout Western Europe. 

His major publications have been on Dutch, British and comparative politics, with a particular emphasis on processes of democratisation and parties and party systems, on Marxism and nationality, and on problems of university government. He served on the ECPR Executive until 1988. As a result of a workshop he organized during the Joint Sessions of the ECPR held at Leiden when he left the Leiden Chair in 1993, he edited Comparative European Politics. The Story of a Profession (London and Washington: Pinter, 1997; new paperback edition 1999), which brings together four intellectual biographies and twenty-three intellectual autobiographies of leading European and American scholars in the field of comparative politics. 

Since his retirement he has worked mainly on a multi-volume political biography of Willem Drees, the leading Socialist Prime Minister prime minister in post-war Holland, whose political life covered the larger part of the 20th century, until he died in 1988 almost 102 years old.

24-06-2011, 15:00,

Sala Polivalente

Tendáncias de modernização administrativa nos países europeus e da OCDE, em contexto de crise

Isabel Corte-Real

Sumário: Praticamente todos os países europeus e da OCDE desenvolvem programas de modernização e reforma administrativa, no essencial pelas seguintes razões:
    •    Existe uma pressão constante por parte dos cidadãos e empresas no sentido de um melhor serviço público, mais eficiente e eficaz;
    •    Em sentido contrário são muitas as pressões obre a despesa pública: o envelhecimento demográfico das populações coloca novas solicitações sobre os sistemas de saúde e segurança social;
    •    Há uma situação generalizada de escassez de recursos financeiros, pelo que todos os países europeus procuram combater o deficit público, mesmo aqueles que estão fora da zona Euro.

Estes factos significam que a melhoria de serviço - ou mesmo o objectivo menos ambicioso de manutenção do actual nível de serviço público - só se alcançará se houver ganhos de eficiência. Daí as iniciativas generalizadas de reforma e modernização na gestão pública.

Sem que se possa falar em convergência europeia no domínio da Administração Pública, área de reserva de cada Estado Membro de acordo dos Tratados, identificam-se porém tendências e até tipologias de modernização das Administrações sem transição. Será este e o objecto do Seminário de dia 24 de Junho.

Nota biográfica: Licenciada em Ciências Sociais e Políticas em 1969, Isabel Corte-Real desenvolveu a sua carreira e desempenhou vários cargos na Administração Pública portuguesa. Na Administração Pública ocupou-se essencialmente dos domínios de Organização, Gestão e Gestão dos Recursos Humanos. Directora Geral do Centro de Informação Científica e Técnica da Reforma Administrativa em 1984, foi nomeada, dois anos mais tarde, Directora do Secretariado para a Modernização Administrativa, reportando nessa qualidade directamente ao Primeiro-ministro. Em 1988 foi nomeada Subsecretária de Estado da Modernização Administrativa e Secretária de Estado em 1989, tendo permanecido no Governo como responsável política pela área da modernização e reforma da Administração Pública nos Governos do Prof. Cavaco Silva até Outubro de 1995. No âmbito das suas funções no domínio da Modernização Administrativa, destaca-se o seu papel como Directora da Revista de Administração Pública em 86-88 e como Governadora, em representação de Portugal, do Instituto Europeu de Administração Pública de Maastricht em 1987. No mesmo ano assume a presidência da Comissão de Empresas Administração - órgão que tinha por missão manter o diálogo entre Administração e as grandes confederações e associações empresariais nos domínios da modernização e desburocratização - cargo que ocupa até 1995. Para além do cargo de Presidente da Comissão para a Qualidade e Racionalização da Administração, que produziu um relatório em 1994, subordinado ao título «Renovar a Administração, um desafio, uma aposta» foi ainda responsável pela condução político institucional dos programas de modernização administrativa (1988-1995) e de reforma dos salários. Este último abrangeu um universo de 600 000 funcionários. (1988-1989). De 1996 até Abril de 2000 foi Directora Geral do Instituto Europeu de Administração Pública de Maastricht. Foi, até final de 2001, professora convidada do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa, para a cadeira de Ciência da Administração. É igualmente professora convidada do Instituto Superior de Ciências do Trabalho e Empresa para os cursos de pós-graduação em políticas públicas e Administração Autárquica. De Abril de 2000 a Abril de 2002 foi Assessora Principal do Instituto Nacional de Administração de Portugal e Directora do Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública (pós graduação em Gestão Pública). Foi Secretária-geral da Assembleia da República de Portugal entre Maio de 2002 e Junho de 2005, cargo de que está actualmente aposentada. É Sócia Honorária do Centro de Estudos de Administração Pública da Universidade do Minho. É Professora Honorária da China National School of Administration. É actualmente consultora, tendo desempenhado funções em programas realizados em cooperação entre diversos Estados e a União Europeia, a OCDE/ SIGMA, a UNDP, a ENA de França, designadamente no Brasil, Bulgária, China, Bangladesh, Kosovo e Lituânia. É igualmente formadora de cursos de alta direcção para dirigentes portugueses e de outros países ibero americanos e de língua portuguesa, promovidos pelo INA e CEFA de Portugal. Foi condecorada pela Rainha da Holanda como Knight of the Order of Orange-Nassau. Agraciada pelo Presidente da República com a Grã-Cruz da Ordem de Mérito.
 

Catégories

Lieux

  • Av. das Forças Armadas
    Lisbonne, Portugal

Dates

  • vendredi 03 décembre 2010
  • vendredi 14 janvier 2011
  • vendredi 11 février 2011
  • vendredi 25 mars 2011
  • lundi 18 avril 2011
  • vendredi 13 mai 2011
  • vendredi 20 mai 2011
  • vendredi 24 juin 2011

URLS de référence

Source de l'information

  • Marie Pellen
    courriel : marie [dot] pellen [at] openedition [dot] org

Pour citer cette annonce

« Seminário de Ciênca Politica do Instituto das Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (2010-2011) », Séminaire, Calenda, Publié le vendredi 10 décembre 2010, http://calenda.org/202772