AccueilMemória e Revolução

Memória e Revolução

Ciclo de Cinema

*  *  *

Publié le vendredi 08 juillet 2011 par Marie Pellen

Résumé

Ciclo Cinema e Memória. 29 de Junho, 6, 13 e 20 de Julho às 21:00, na Casa do Brasil, em Lisboa (Portugal).

Annonce

Enquadramento

Sendo por natureza de transição, os momentos revolucionários convocam uma convergência súbita de diferentes aspirações, visões do mundo e formas de conceber o futuro. No movimento colectivo que as revoluções representam, o consenso quanto à necessidade de ruptura e mudança, catalizador das energias de transformação, convive com uma tensão forte: a que se estabelece entre o plano dos contornos programáticos, teóricos e ideológicos, que substanciam o impulso de reorganização da vida social, e o plano das realidades e vivências concretas, das oportunidades e possibilidades de reconfigurar quotidianos, nas suas múltiplas escalas, sentidos e dimensões. A construção colectiva de um «mundo novo» obriga portanto a interacções intensas entre utopias e vivências, ao confronto de experiências, linguagens, conhecimentos e expectativas distintas. É a condição dos diferentes sujeitos que está afinal em jogo, nas suas trajectórias e no que os define, sendo através do seu confronto que se tecem as malhas, por essa razão imprevisíveis, dos processos revolucionários. O ciclo sobre "Revolução e Memória" pretende lançar uma perspectiva sobre estas tensões a partir de um conjunto de visões sobre momentos marcantes do processo revolucionário português.

PROGRAMA

29 de Junho, quarta-feira (21h00)

"Torre Bela" de Thomas Harlan [Portugal/Itália/Alemanha, 1977, 55 minutos]

Sinopse: No dia 23 de Abril de 1975, cinco semanas depois do golpe de 11 de Março e dois dias antes do aniversário da revolução, 500 desempregados da região de Manique, no Ribatejo juntam-se num movimento campesino e ocupam as quatro propriedades de Dom Manuel de Bragança, o Duque de Lafões. Antiga propriedade de exploração agrícola, Torre Bela não é mais do que uma imensa reserva de caça alugada aos amigos da família e lugar de encontro da polícia política secreta, a PIDE, com a CIA e os serviços sul-africanos.

Comentadora : Paula Godinho

6 de Julho, quarta-feira (21h00)

"A Lei da Terra" de Alberto Seixas Santos e Solveig Nordlund (Grupo Zero) [Portugal, 1977, 75 minutos]  

Sinopse: A Lei da Terra é um documentário assinado pela cooperativa de filmes Grupo Zero, sendo a sua realização atribuída a Alberto Seixas Santos. Ideologicamente empenhado no apoio da luta dos trabalhadores, o documentário opta por uma abordagem de estilo objectivo: há uma narração em voz off que expõe os factos e contextualiza historicamente a luta dos trabalhadores agrícolas alentejanos. Pela voz de alguns entrevistados, declaram-se as condições de vida relativas ao emprego sazonal, ao trabalho jornaleiro incerto e árduo, às caminhadas longas, à fome e à miséria. Através de testemunhos, explica-se como as cooperativas se organizaram para trabalhar as terras abandonadas. Neste salto do particular para o geral, o exemplo tomado como regra cumpre uma função de validação e assume uma posição partidária da luta. 

"Luta do Povo: Alfabetização em Santa Catarina" de CooperativaGrupo Zero (com coordenação atrubuída à cineasta Solveig Nordlung) [Portugal, 1976, 25 minutos]

Sinopse: O golpe de Estado de 1974 desencadeou um processo revolucionário em que a modificação radical das relações que até então se processavam no seio da família, no trabalho e no conjunto da sociedade jamais permitiu retrocesso. Se muitos tentam pintar esse processo convulsivo, e inevitavelmente conturbado, como um desastrado momento de rebeldias gratuitas e simplesmente folclóricas, este filme da Cooperativa Grupo Zero contém a resposta mais cabal que poderemos dar a tais interpretações analiticamente pouco sérias. Naqueles anos de brasa, raras vezes se filmou tão judiciosamente o povo tomando nas mãos o seu futuro. Na aldeia Santa Catarina, no Alto Alentejo, o povo discute a sua vida, os seus valores, as suas necessidades. Um dos pontos de encontro é o curso de alfabetização. Alfredo é um dos alunos. Homem feito e "crestado" do trabalho na terra, só aos 44 anos pode finalmente a ler e a escrever o essencial,porque em pequeno tinha sido tempo de "trabalhar, passar fome e levar porrada." Com o advento da democratização, aprenderá as letras e com elas mais do que é a política, a participação no pulsar colectivo da sua comunidade, a vida organizada e livre de peias na cooperativa agrícola a que pertence.

Comentador : António Loja Neves

[Nota biográfica: Nasceu na Madeira. Jornalista do Expresso. Tem desenvolvido actividades em torno do cinema, como divulgador, programador e crítico. Realizou alguns filmes na área do documentário. Organizou ciclos e festivais no Brasil, em Portugal, em Moçambique, em Cabo Verde, em Timor-Leste, na Irlanda, em França e na Galiza. Foi fundador da revista Cinearma, e chefe de redacção da Cinema em Português. Fez parte da redacção do semanário África e de revistas como Cinema e Camões, entre outras, portuguesas e estrangeiras, onde colaborou mais esporadicamente. Participou na fundação da Federação Portuguesa de Cineclubes e também da AporDoc - Associação Portuguesa pelo Documentário. Pertence aos corpos gerentes da Associação Portuguesa de Realizadores].


13 de Julho, quarta-feira (21h00)

"Outro País" de Sérgio Tréfaut [Portugal, 1999, 70 minutos]

Sinopse: Dezenas de cineastas, fotógrafos e jornalistas, vindos dos quatro cantos do planeta, viram-se envolvidos  na revolução dos cravos, e possuem arquivos preciosos. Numa série de entrevistas a estes viajantes, Sérgio  Tréfaut confronta o entusiasmo antigo com o olhar contemporâneo. Em alguns casos, segue os mesmos autores para retratar o estado presente do país e reencontrar as personagens fotografadas e filmadas em 1974/75.

Comentador: Sérgio Tréfaut

"Casas para o Povo" de Catarina Alves Costa [Portugal, 2010, 20 minutos]

"Paredes meias" de Pedro Mesquita [Portugal, 2009, 53 minutos]

Sinopse: O Bairro da Bouça é um projecto de habitação económica situado numa das zonas mais nobres da cidade do Porto, da autoria de Álvaro Siza Vieira, cuja construção iniciou-se em meados dos anos 70 e que apenas recentemente foi concluído. Destinada a famílias vivendo em condições degradadas – nas chamadas “ilhas” – esta obra nasceu do traço genial de um dos mais conceituados arquitectos contemporâneos. Um bairro “inacabado”, cuja génese remonta à Revolução dos Cravos, e onde os moradores participaram activamente na concepção e implementação do projecto. Três décadas depois, 60 famílias preparam-se agora para acolher seus novos vizinhos: jovens atraídos pela possibilidade de morar no centro da cidade em casas simples e acessíveis.

Comentadora: Catarina Alves Costa (a confirmar)


21 de Julho, quarta-feira (21h00)

"As Operações SAAL" de João Dias [Portugal, 2007, 90 minutos]

Comentador: José António Bandeirinha

[Nota biográfica: É arquitecto pela Escola Superior de Belas-Artes do Porto (1983). Exerce profissionalmente e é professor associado do Departamento de Arquitectura da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, onde se doutorou em 2002 com uma dissertaçãoo intitulada O Processo SAAL e a Arquitectura no 25 de Abril de 1974.
Tomando como referência central a arquitectura e a organizaçãoo do espaço, tem vindo a dedicar-se ao estudo de diversos temas: cidade, teatro, cultura.
 É investigador do Centro de Estudos Sociais.
  ÉDirector do Colégio das Artes da Universidade de Coimbra.

Organização:

Casa do Brasil e Centro de Estudos Sociais

Lieux

  • Rua Luz Soriano, 42
    Lisbonne, Portugal

Dates

  • mercredi 29 juin 2011
  • mercredi 06 juillet 2011
  • mercredi 13 juillet 2011
  • jeudi 21 juillet 2011

Contacts

  • Casa do Brasil
    courriel : secretaria [at] casadobrasildelisboa [dot] pt

URLS de référence

Source de l'information

  • Marta Maia
    courriel : martamaia72 [at] yahoo [dot] fr

Pour citer cette annonce

« Memória e Revolução », Informations diverses, Calenda, Publié le vendredi 08 juillet 2011, http://calenda.org/204931