AccueilCrise ecológica e novos desafios para a democracia

Crise ecológica e novos desafios para a democracia

Ecological Crisis and the New Challenges

Special issue of the Revista Crítica de Ciências Sociais

*  *  *

Publié le mercredi 04 juillet 2012 par Elsa Zotian

Résumé

Esta chamada de artigos propõe-se reunir contribuições que, pela compreensão da crise ambiental contemporânea, utilizem criticamente os instrumentos de análise provenientes das seguintes áreas de investigação: justiça ambiental, saúde coletiva, democracia/cidadania ecológica, economia ecológica, ecologia política, ecocriticismo, sociologia ambiental e história ambiental.

Annonce

Apresentação

Embora a crise ecológica constitua um problema público central do nosso tempo, não há consenso quanto às suas implicações políticas e sociais. O ambiente constitui-se, portanto, num grande campo de disputa simbólica e material, largamente dominado por abordagens  reducionistas (tecnicistas e/ou economicistas), muitas vezes alheias à dimensão social das questões ecológicas, onde  a desigualdade dos impactos e dos danos (em termos de distribuição socioeconómica) é um aspeto particularmente importante. Por outro lado, a maioria dos novos movimentos sociais, assim como um número crescente de "especialistas", já exprimem uma visão da crise ambiental como efeito de uma crise social de dimensão planetária. O ambientalismo não é só um assunto do foro da "urgência de resolução" através de  soluções técnicas. Existe hoje em dia um ambientalismo popular bem como movimentos pela justiça ambiental, tanto no Norte como no Sul, que se baseiam na perceção da relação entre desigualdades ambientais e sociais.

Novas ferramentas teóricas têm sido elaboradas nos últimos 10-15 anos, no âmbito das ciências sociais e humanas, que permitem analisar  as questões ambientais de forma menos dicotómica (além das oposições ambiente versus sociedade, natureza versus cultura) e mais abrangente do que no passado.

Esta chamada de artigos propõe-se reunir contribuições que, pela compreensão da crise ambiental contemporânea, utilizem criticamente os instrumentos de análise provenientes das seguintes áreas de investigação: justiça ambiental, saúde coletiva, democracia/cidadania ecológica, economia ecológica, ecologia política, ecocriticismo, sociologia ambiental e história ambiental.

Propõem-se os seguintes eixos temáticos:

1. Crise económica, (de)crescimento e (in)sustentabilidade (ex.: reconversão produtiva, relocalização, comércio ecossolidário, redes sociais ecologistas).

2. Migrações e meio ambiente (deslocações coletivas decorrentes de fatores como: construção de barragens, desastres naturais, mudanças climáticas, esgotamento de recursos naturais, parques nacionais, políticas de reabilitação urbana, políticas ambientais e políticas antimigratórias).

3. Agriculturas urbanas e periurbanas (segurança alimentar, alimentação saudável, sustentabilidade agrícola).

4. Diversidade biocultural (ex.: sementes e medicinas tradicionais, saberes locais, propriedade coletiva).

5. Impacto social dos novos riscos para a saúde coletiva (ex.: mudanças climáticas, transgénicos, tráfico de lixo tóxico).

6. Racismo ambiental (ou seja, transferência de custos ambientais para populações indígenas, minorias étnicas, afrodescendentes).

7. Grandes obras (ex.: comunicações, mineração, produção de energia) e conflitos ambientais.

8. Mobilizações contra a privatização de recursos (água, sementes, paisagem, etc.).

9. Novas narrativas e novas linguagens da crise ecológica (nomeadamente as chamadas ‘verdades desconfortáveis’, segurança ambiental nacional, green washing, (in)justiça ambiental e climática).

Espera-se que as contribuições abordem as diferentes temáticas propostas tendo em atenção dois eixos de questionamento transversais: a interação entre o local e o global, com particular enfoque no que cada questão implica em termos de relações Norte-Sul, e os desafios e/ou oportunidades que cada questão representa para a democracia e para a emancipação social.

Propostas

As propostas deverão chegar para o endereço rccs@ces.uc.pt.

até 30 de setembro de 2012

Deverão incluir: título, resumo do artigo (máx. 900 caracteres com espaços), artigo completo (máx. de 50 000 caracteres com espaços), breve nota biográfica (máx. 500 caracteres com espaços) do/a(s) autor/a(s) e declaração de autorização de publicação. Todas estas indicações detalhadas estão disponíveis em http://www.ces.uc.pt/rccs/normaspubrccs.pdf.

O/as organizadores/as darão notícia da aceitação ou recusa das propostas até final de outubro de 2012. A RCCS publica artigos em português e espanhol. Será sempre possível submeter propostas em francês, inglês ou italiano: caso aceites para publicação, os artigos serão traduzidos para português.

Normas editoriais : http://www.ces.uc.pt/rccs/normaspubrccs.pdf

Organização do número temático 

  • Stefania Barca (Centro de Estudos Sociais, Universidade de Coimbra, Portugal),
  • Giovanni Allegretti (Centro de Estudos Sociais, Universidade de Coimbra, Portugal) 
  • Laura Centemeri (CNRS-Maison Méditerranéenne des Sciences de l'Homme, Aix-en-Provence, France)

English version

Although the ecological crisis is increasingly raising global concerns, there is no consensus as to its social and political implications. The environment is, therefore, a symbolic and material playing field, largely dominated by reductionist approaches (technocratic and / or economistic), often unaware of the social dimension of environmental issues, where inequality of the impacts and damages (especially in socio-economic terms) is a particularly important aspect. On the other hand, most new social movements, as well as a growing number of "experts" have expressed a vision of the environmental crisis as manifestation of a social crisis of global dimension. Environmentalism, in fact, is not just a matter of "urgent resolutions" in technical and/or managerial fashion. There is today a non-mainstream environmentalism and environmental justice movements in both the North and the South of the globe, which act upon the perception of an organic unity between environmental and social inequalities.

New theoretical tools have been developed over the past 10-15 years, within the Social Sciences and Humanities, allowing to analyze environmental issues in a less dichotomous and more comprehensive fashion than in the past, beyond usual opposition such as that between environment and society, nature and culture. This call for contributions aims to bring together papers that utilize critical and analytical tools that come from the following research areas: Environmental Justice, Public Health, Ecological Democracy (or Citizenship), Ecological Economics, Political Ecology, Environmental Sociology, Eco-Criticism, Environmental Sociology and Environmental History. The contribution of this issue will therefore be to gather a set of these new approaches to offer a critical reflection on the contemporary environmental crisis.

The suggested topics to be addressed by contributions are:

1. Economic crisis, (de)growth and (un)sustainability (e.g., productive restructuring, “relocalization”, eco-solidarity economy, ecological social networks).

2. Migration and environment (mass dislocations arising from: dam constructions, natural disasters, climate change, depletion of natural resources, national parks, urban regeneration policies, environmental policies and anti-immigration policies).

3. Urban and peri-urban agriculture (food security, healthy food, sustainable agriculture).

4. Bio-cultural diversity (e.g. traditional seeds and medicine, local knowledge, collective ownership).

5. Social impact of new public health risks (e.g. climate change, GMOs, trafficking of toxic waste).

6. Environmental racism (i.e.: charging environmental costs on indigenous populations, ethnic minorities, African descendents).

7. Mega-projects (e.g., communications, mining, energy production) and environmental conflicts.

8. Mobilizations against the privatization of resources (water, seeds, landscape, etc.).

9. New narratives and new languages ​​of the ecological crisis (e.g. ‘the inconvenient truth', national environmental security, green washing, environmental and climate in-justice).

It is hoped that the contributions address the different topics paying attention to two transversal axes of inquiry, namely: the interaction between local and global, with particular focus on what each question implies in terms of North-South relations; and challenges and/or opportunities that each issue poses to democracy and social emancipation.

To submit

Proposals should be receivedat the address rccs@ces.uc.pt

by September 30, 2012

They should include:

  • title
  • abstract (900 characters max.)
  • full paper (which must not exceed 50,000 characters with spaces)
  • brief biographical note (500 characters max.) of the author(s)
  • and an authorization for publication

All details at http://www.ces.uc.pt/rccs/normaspubrccsen.pdf

The conveners will give notice of the acceptance by the end of October 2012.

The RCCS is a peer-reviewed journal published by the Centre for Social Studies of the University of Coimbra.

It publishes articles in Portuguese and Spanish, but it will always be possible to submit proposals in English, French or Italian. If accepted for publication, articles will be translated into Portuguese.

Website RCSS: http://www.ces.uc.pt/rccs/index.php?id_lingua=2

Conveners

  • Stefania Barca, Centre for Social Studies, University of Coimbra (PT)
  • Giovanni Allegretti, Centre for Social Studies, University of Coimbra (PT)
  • and Laura Centemeri, LAMES (CNRS-AMU), Aix-en-Provence (FR)

Lieux

  • Colégio de S. Jerónimo, Apartado 3087 (CES)
    Coimbra, Portugal

Dates

  • dimanche 30 septembre 2012

Contacts

  • Rita Cabral
    courriel : rccs [at] ces [dot] uc [dot] pt

Source de l'information

  • Marta Maia
    courriel : martamaia72 [at] yahoo [dot] fr

Pour citer cette annonce

« Crise ecológica e novos desafios para a democracia », Appel à contribution, Calenda, Publié le mercredi 04 juillet 2012, http://calenda.org/209179