AccueilEnsinar pelo projeto

*  *  *

Publié le mardi 25 septembre 2012 par Marie Pellen

Résumé

 Departamento de Arquitectura Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra e o Centro de Estudos Sociais vão realizar o evento “Ensino Pelo Projeto: Colóquio Internacional sobre o Ensino do Projeto de Arquitetura”.

Annonce

Apresentação

A Reforma de Bolonha produziu um conjunto de alterações significativas na formação superior. Concretamente nos cursos de Arquitetura, Bolonha diminuiu os tempos de formação de 6 ou 5 e ½ anos para 5 anos. Se compararmos os tempos de formação atuais com a formação de Álvaro Siza (anos 50) verificamos que nesse tempo, a par do tempo curricular, havia um tempo de formação “em escritório” (que poderia durar 3 ou 4 anos) após o qual os candidatos se propunham ao Concurso para Obtenção de Diploma de Arquiteto (CODA); assim a diminuição nos tempos de formação (académica e profissional) tem sido drástica, se compararmos uma formação que durava 10 anos com os atuais 5. A Reforma de Bolonha tem também outras consequências: a delimitação da formação em dois ciclos de estudos; embora a autonomia destes dois ciclos facilite a mobilidade permitindo a um estudante frequentar um segundo ciclo noutra instituição que lhe assegure a formação nas suas áreas de interesse, obriga também a definir com mais rigor, clareza, e objetividade aquilo que se considera como objetivos formativos de carácter universal do primeiro ciclo. Se a este conjunto de considerações de carácter pedagógico adicionarmos as recentes exigências profissionais, tais como as preocupações de sustentabilidade, acessibilidade, adequação aos meios disponíveis ou valor social da produção arquitetónica, rapidamente se questiona o ajuste entre a formação que tem sido dada e as novas exigências de formação.

O objetivo do colóquio "Ensinar pelo Projeto" é precisamente debater os caminhos que têm sido trilhados pelo primeiro ciclo de estudos, e perspetivar formas de melhoria desse ensino considerando as três questões expostas:

a) definição de métodos e identificação de experiências de ensino sobretudo de Projeto de Arquitetura no primeiro ciclo de estudos, b) estabelecimento de algumas balizas conceptuais que permitam configurar as aptidões que nesse final de ciclo os alunos deverão ter, c) definir o papel concreto que cada ano curricular da disciplina de Projecto, como disciplina de síntese de conteúdos, deverá ter nesse primeiro ciclo de estudos.

A par da definição de objetivos e métodos de ensino do primeiro ciclo de estudos, outras questões têm sido (e são ainda), objeto de debate; e entre essas questões salienta-se o papel que os profissionais de arquitetura têm ou poderão ter nas escolas de arquitetura; a passagem de um ensino politécnico a um ensino universitário, tal como ocorre desde meados dos anos 80 (tanto em Portugal como na Europa), distingue os profissionais de ensino entre “os de carreira académica” e “os de formação profissional”.

Claro que em última análise este debate sobre formação implica uma certa pré-visão do arquiteto que se pretende formar, considerando o seu papel social (de arquiteto-artista a arquiteto-da-engenharia-social, passando pelo arquiteto-como-técnico-do-espaço), e em última análise está dependente das perspetivas de realização profissional de cada contexto concreto de formação.

O debate que aqui se aponta está também a decorrer noutras instituições de ensino europeu; um exemplo concreto desse facto é o recente trabalho de investigação, baseado num inquérito, promovido pela Escola de Arquitetura de Delft, com apoio de outras instituições como Paris - Beleville, Mendrizio, Aachen, Lausanne, Madrid ou Barcelona; este trabalho terá um conjunto de dados e conclusões ainda provisórias.

Um último objetivo do presente colóquio é o de contribuir para uma publicação que faça o ponto de situação atual sobre o ensino de arquitetura do DArq. Centrando-se na disciplina de Projeto como disciplina estruturadora da formação, a investigação que a preparação do Colóquio permite a edição de um e-cadernos, e permite elaborar um relatório com sugestões sobre a reformulação do plano de estudos atual, assim como melhorar a articulação vertical e horizontal das disciplinas que compõem esse primeiro ciclo de estudos. Permite também ganhar uma “consciência comparativa” sobre os diferentes modelos de ensino, permitindo um mais claro enquadramento do ensino ministrado.

A estrutura do colóquio "Ensinar pelo Projeto", recorrente das considerações referidas, apresenta essencialmente dois vetores:

  1. Um associado com os modelos de ensino, e particularmente com a presença, necessidade e contornos da participação dos Profissionais e Investigadores de Arquitetura no Processo de Ensino.
  2. Um outro que debate as metodologias de ensino, os instrumentos, os exercícios, e os objetivos de formação.

Para debater a primeira questão haverá duas sessões:

A. “Inquérito Será convidada a relatora do trabalho de inquérito referido, arquiteto e professor Willemijn Wilms Floet, da TU Delft; painel moderado por Gonçalo Canto Moniz.

B. “Dissertação Será questionado o papel da dissertação como conclusão do Mestrado Integrado em Arquitetura, havendo uma comunicação central proferida por Elizabeth Hatz da KTH Stockholm; painel moderado por José Fernando Gonçalves.

Para o debate do segundo vetor referido, dividiu-se o tema geral em quatro subtemas:

1. Programas e Temas Conferência principal do arquiteto e professor Juan Domingo Santos (ETSA de Granada); painel coordenado por João Mendes Ribeiro

2. Instrumentos e Composição Conferência principal dos arquitetos e professores Florian Beigel + Philip Christou (Dep. of Architecture Metropolitan University, Londres); painel coordenado por Paulo Providência.

3. Cruzamento disciplinar e SínteseConferencista a indicar. Painel  coordenado José António Bandeirinha.

4. Investigação em Projeto

Conferência principal do arquiteto e professor David Leatherbarrow (School of Design, University of Pennsylvania); painel coordenado por Jorge Figueira e Nuno Grande.

Objetivos

O Colóquio Internacional sobre o Ensino do Projeto de Arquitetura no Mestrado Integrado, "Ensinar pelo Projeto", tem como objetivo debater os caminhos que têm sido trilhados pelo primeiro e segundo ciclo de estudos, e perspetivar formas de melhoria desse ensino considerando quatro questões:

  1. identificação de métodos de projeto e de experiências de ensino sobretudo de Projeto de Arquitetura,
  2. definir o papel concreto que cada ano curricular da disciplina de Projeto, como disciplina de síntese de conteúdos, deverá ter em cada ciclo de estudos.
  3. estabelecimento de algumas balizas conceptuais que permitam configurar as aptidões que no final de cada ciclo de ensino os alunos deverão ter,
  4. refletir sobre a articulação entre os dois primeiros ciclos e a sua continuidade quer com a vida profissional quer com o 3º ciclo.

Temas

1. Programas e Temas

Os Programas ou exercícios de projeto são uma parte fundamental da aprendizagem da arquitetura. É através dos exercícios de projeto, que simulam uma realidade de prática de escritório, que a formação de um arquitecto se alcaa; no entanto essa prática de projeto, que é processo de aprendizagem, é simultaneamente uma reflexão sobre a resposta a um determinado contexto ou necessidade. Nos programas e temas de projeto conjuga-se uma aprendizagem do “como fazer” com “o que fazer”; e é essa conjugação que permite uma reflexão crítica sobre o produzir arquitetónico.

2. Instrumentos e Composição

Em arquitetura, e para o projeto de arquitetura, o desenho é um meio e não um fim; quer dizer que a finalidade do projeto de arquitetura é a arquitetura construída e não a produção de desenhos. No entanto, a arquitetura tal como a conhecemos desde o Renascimento é indissociável do desenho como instrumento de conceção e representação; e de um ponto de vista educativo, o desenho emula a construção da arquitetura projetada. A condição de mediação do desenho (mediação no desenvolvimento de uma proposta projetual, da sua representação ou da sua comunicação) não retira a necessidade de forte investimento na sua aquisição instrumental: não apenas porque é necessário que o projeto traduza o mais fielmente possível uma determinada intenção, mas porque a prática de desenho permite a aquisição de capacidades específicas de observação, interioriza noções de escala, e permite, pelo carácter processual que lhe é próprio, aproximações sucessivas a um resultado.

3. Cruzamento disciplinar e Síntese

O Projeto de arquitetura, e a folha de projeto, são um espaço de confluência e de síntese; a crescente complexidade de resposta de um projeto de arquitetura implica o cruzamento de diversos olhares; para o arquiteto, o seu ponto de partida é disciplinar, quer dizer, parte sempre de uma ideia de intervenção de natureza disciplinar, uma ideia compositiva, ou define as regras de um jogo autoimposto. Num momento de formação, um estudante de arquitetura não tem ainda a noção clara do conjunto de questões a que qualquer projeto é sujeito, nem pode sequer ter. Sendo claro que aquilo que pode ser aprendido numa escola de arquitetura são um conjunto de instrumentos ou capacidades instrumentais, e um conjunto de estratégias para abordar problemas de complexidade crescente, fica ainda assim por resolver a questão do ensino da síntese projetual, e do cruzamento disciplinar nele implícito.

4. Investigação em Projeto

É frequente os arquitetos docentes das disciplinas de Projeto referirem-se à sua prática projetual como investigação. De facto, para a área de Projeto a investigação é de capital importância: primeiro porque não existe, ainda, uma objetivação do significado de investigação em Projeto, ou antes e por excesso, tudo é investigação em Projeto; depois porque torna inseparável a investigação do ensino, e neste sentido, e por defeito, nada é, ainda, uma investigação em Projeto pois essa relação não se encontra definida. Assim surge a necessidade de um debate sobre estratégias de ensino e aprendizagem em Projeto, sobretudo no segundo ciclo de estudos, que considere a investigação em Projeto como inseparável das adequações de aprendizagem às mudaas culturais que se têm operado na sociedade, dos novos papeis que os arquitetos são chamados a prestar, ou ainda às alterações tecnológicas de suporte à produção da arquitetura.

COMISSÃO CIENTÍFICA

  1. Paulo Providência, CES – DARQ Coimbra.
  2. Elizabeth Hatz, KTH Stockholm.
  3. Florian Beigel, London Met University.
  4. Willemijn Wilms Floet, TU Delft.

 COMISSÃO ORGANIZADORA

  1. Paulo Providência, DARQ CES.
  2. Gonçalo Canto Moniz, DARQ CES
  3. Paulo Peixoto, CES Observatório das Políticas de Educação e Formação

Programa

Dia 27 de Setembro

18.00 Abertura do Colóquio

Sessão de abertura:

  • Paulo Peixoto (CES),
  • Jorge Figueira (Diretor do DARQ),
  • Paulo Providência (DARQ-CES),
  • Gonçalo Canto Moniz (DARQ-CES).

19.00 Inauguração da Exposição de Trabalhos das Disciplinas de Projecto (TAPE) / Departamento de Arquitetura da FCTUC,  NUDA

Dia 28 de Setembro

10.00 Orador 1 / Keynote-speaker: Juan Domingo Santos / ETSA Granada.

10.50 intervalo / pausa para café

11.00 Orador 2. Jorge Spencer / FAUTL.

11.20 Orador 3. a selecionar

11.40 Orador 4. a selecionar

12.00 Debate coordenado por João Mendes Ribeiro / DARQ Colégio das Artes.

12.50 Almoço

Instrumentos e Composição

14.30 Orador 1 / Keynote-speaker: Florian Beigel + Philip Christou / ARU London met.

15.20 intervalo / pausa para café

15.30 Orador 2. José Adrião / UAL.

15.50 Orador 3. a selecionar

16.10 Orador 4. a selecionar

16.30 Debate coordenado por Paulo Providência / DARQ CES.

17.30 Intervalo

Inquérito sobre o Ensino do Projeto

18.00 Willemijn Wilms Floet, da TU Delft, “Inquérito Internacional sobre Ensino do Projeto”.

Moderação por Gonçalo Canto Moniz, com a participação de Willemijn Wilms Floet, Jorge Figueira, Paulo Peixoto.

Dia 29 de Setembro 

Cruzamento disciplinar e Síntese

10.00 Orador 1 / Keynote-speaker: [a Confirmar].

10.50 intervalo / pausa para café

11.00 Orador 2. Diogo Seixas Lopes / DARQ-ETHZ.

11.20 Orador 3. a selecionar 11.40 Orador 4. a selecionar

12.00 Debate coordenado por José António Bandeirinha / DARQ CES.

12.50 Almoço

Investigação em Projeto

14.30 Orador 1 / Keynote-speaker: David Leatherbarrow / University of Pennsylvania.

15.20 intervalo / pausa para café

15.30 Orador 2. Bruno Silvestre / SA Oxford Brooks University.

16.50 Orador 3. a selecionar

16.10 Orador 3. a selecionar

16.30 Debate coordenado por Jorge Figueira e Nuno Grande / DARQ CES.

Mesa Redonda “Dissertação”

18.00 Elizabeth Hatz / KTH Stockholm, “Dissertation – Architecture in transformation”.

Moderação por José Fernando Gonçalves, com a participação de Elizabeth Hatz, José Miguel Rodrigues, Mário Krüger.

 

 

Lieux

  • Real Colégio das Artes - Praça D. Dinis
    Coimbra, Portugal (3020-177)

Dates

  • jeudi 27 septembre 2012
  • vendredi 28 septembre 2012
  • samedi 29 septembre 2012

Contacts

  • Gonçalo Canto Moniz
    courriel : gmoniz [at] darq [dot] uc [dot] pt

URLS de référence

Source de l'information

  • Marta Maia
    courriel : martamaia72 [at] yahoo [dot] fr

Pour citer cette annonce

« Ensinar pelo projeto », Colloque, Calenda, Publié le mardi 25 septembre 2012, http://calenda.org/220110