AccueilPré-guerra(s)

*  *  *

Publié le mercredi 20 février 2013 par Marie Pellen

Résumé

Atualmente vivemos tempos incertos em que a única certeza é a de que não sabemos para onde caminhamos, nem quais as regras que nos guiam. Os perigos são múltiplos e cada um mais explosivo do que o outro: nacionalismos exacerbados, fanatismo religioso, crise económica, insegurança, demagogia, falta de confiança nos dirigentes políticos, dentre muitos outros aspetos; enfim, um quadro ameaçador dos valores em que se fundamenta a civilização ocidental. A Revista Comunicação e Cultura convida a refletir sobre os fatores estéticos, sociais, políticos e económicos que constituem o quadro conceptual no alvor do fenómeno bélico e sobre o seu impacto na tessitura cultural, na organização da subjetividade, na formação da esfera pública e na qualidade da cidadania veiculada pelos media.

Annonce

Apresentação 

Há guerras anunciadas, mas haverá guerras previsíveis? Nas vésperas de 1914 o clima da Europa seria semelhante ao de 1939? Independentemente dos contextos históricos, encontramos denominadores comuns em períodos de pré-guerras: nacionalismos exaltados, conflitos étnicos e religiosos, ressentimentos, ódios, mal-estar, insegurança e incertezas. Mais do que uma periodização, a pré-guerra constitui-se como uma estrutura de sentimento que marca a véspera do conflito bélico.

Atualmente vivemos tempos incertos em que a única certeza é a de que não sabemos para onde caminhamos, nem quais as regras que nos guiam. Os perigos são múltiplos e cada um mais explosivo do que o outro: nacionalismos exacerbados, fanatismo religioso, crise económica, insegurança, demagogia, falta de confiança nos dirigentes políticos, dentre muitos outros aspetos; enfim, um quadro ameaçador dos valores em que se fundamenta a civilização ocidental.

A Revista Comunicação e Cultura convida os investigadores das áreas das Ciências Humanas e Sociais a refletir sobre os fatores estéticos, sociais, políticos e económicos que constituem o quadro conceptual no alvor do fenómeno bélico e sobre o seu impacto na tessitura cultural, na organização da subjetividade, na formação da esfera pública e na qualidade da cidadania veiculada pelos media.

A Revista solicita artigos que se debrucem sobre o fenómeno «pré-guerra», nomeadamente através da discussão dos seguintes temas:

  1. Nacionalismo, colonialismo, racismo na véspera da guerra.
  2. Práticas discursivas e éticas e premediações do conflito.
  3. A crítica cultural e a guerra.
  4. Os intelectuais e a guerra.
  5. Mal-estar e ressentimento: o discurso psicanalítico na véspera do conflito.
  6. Os media e a guerra.
  7. Belicismos e modernismos.
  8. O entretenimento e a representação da guerra (vídeo jogos, cinema, teatro).
  9. Ciência, tecnologia, indústria e complexo bélico.
  10. Mundos virtuais e ciberguerra.

Coordenação:

  • Ana Paula Rias

Apresentação dos artigos:

Todos os artigos correspondendo às exigências e padrões da revista

Comunicação & Cultura são submetidos a double blind peer review.

Os artigos devem ter espaçamento de 1,5 em todo o texto e não exceder o limite de 40 mil caracteres, incluindo notas e bibliografia, um resumo de 100-150 palavras (em português e inglês) e um máximo de seis palavras-chave.

Por favor envie o artigo como anexo a uma mensagem eletrónica para comunicultura@fch.lisboa.ucp.pt, juntando uma folha separada do texto com endereços postal e eletrónico, e um número de telefone de contacto.

Data-limite para a receção de originais: 30 abril 2013

Normas para o envio de artigos e recensões

Princípios gerais de candidaturas

1. A revista Comunicação & Cultura aceita propostas de artigos para publicação que se enquadrem na área das Ciências da Comunicação e da Cultura.

2. Os artigos enviados devem ser originais e não podem estar, à data da sua proposta à revista Comunicação & Cultura, em apreciação noutra publicação. Qualquer excepção deverá ser explicitamente indicada aquando da candidatura. Os artigos publicados na revista podem ser posteriormente editados sob qualquer outra forma (livro, revista, e-book, etc.), desde que referenciada a primeira edição do texto.

3. Os artigos serão apreciados num primeiro momento pelo Conselho de Redacção, que aferirá da pertinência das propostas no âmbito editorial da revista, exposto no ponto 1. Caso se verifique que cumprem os requisitos de candidatura, os artigos serão submetidos, em regime de anonimato, ao parecer de especialistas das áreas respectivas. A decisão final de publicação é da responsabilidade da Direcção.

4. Compete aos autores a obtenção do copyright sobre todos os materiais que não lhes pertençam: ilustrações, quadros, fotografias, etc.

5. Os materiais enviados para publicação não serão devolvidos, ficando propriedade da revista.

6. A Comunicação & Cultura compromete-se a contactar por e-mail o autor:

  • acusando a recepção do artigo;
  • informando-o – num prazo máximo de 4 meses após a recepção – sobre a aceitação ou recusa de publicação do mesmo.

7. Proposta de artigos via e-mail (recomendada): seguindo esta modalidade, as candidaturas serão apreciadas de forma mais rápida. Guarde o seu texto em Word e envie-o como anexo (attachment) para unicultura@fch.lisboa.ucp.pt Inclua informação com o seu nome e contactos na mensagem de e-mail. Além do texto integral, anexe uma folha de rosto com os dados pedidos no ponto 10.

8. Proposta em papel: envie 1 exemplar da folha de rosto, 3 exemplares do texto
integral e uma versão em suporte digital (disquete ou CD-ROM) para Comunicação & Cultura, Faculdade de Ciências Humanas, Universidade Católica, Palma de Cima,
1649-023 Lisboa.

9. Em nenhuma parte do artigo deverá referir-se o(s) nome(s) do(s) autor(es).

10. Todos os artigos deverão incluir uma folha de rosto autónoma (não agrafada) de
que constem os seguintes elementos: título do artigo, nome do autor, instituição a
que pertence, morada completa, endereço de e-mail, telefone(s).

11. Os textos devem ser formatados a corpo 12, fonte Times New Roman, espaço 1,5.
Não devem ser utilizados estilos nem formatações automáticas, tais como numeração
(numbering) e bolas/asteriscos (bullets).

12. Os artigos não poderão exceder os 40 000 caracteres (cerca de 20 páginas A4),
incluindo espaços, notas e bibliografia. As recensões não poderão ultrapassar os
8000 caracteres.

13. Para além do texto, os autores devem enviar – em português e inglês – um resumo do artigo (800 caracteres, cerca de 10 linhas) e até seis palavras-chave.

14. As notas deverão ser coligidas no fim do artigo (e não em rodapé).

15. Relativamente às citações:

  • qualquer interrupção de citação deve vir assinalada com reticências dentro de parêntesis rectos [...]
  • citações curtas: integradas no texto entre aspas angulares (« »).
  • citações longas (mais de 3 linhas): sem aspas, destacadas do texto principal, alinhadas à esquerda pelo parágrafo, fechadas pela pontuação do próprio trecho citado.

Exemplo:
Sobre a assustadora proliferação dos «discursos segundos» na sociedade
actual, e muito particularmente sobre a avassaladora febre interpretativa e crítica
potenciada pelo sistema universitário, já Steiner observava:
A produção ininterrupta de obras de exegese e crítica de autores, pintores,
escultores e compositores, já centenas de vezes analisados e classificados, provoca
um prazer efémero, benignas ilusões de importância e, com sorte, uma certa
segurança profissional e um rendimento modesto a todo o género de almas de
segunda [...].

16. As palavras estrangeiras devem estar grafadas em itálico.

17. A bibliografia referenciada no texto segue o estilo Harvard (autor, data: página). Por exemplo (Murteira, 2004: 63) ou (Deuze e Yeshua, 2001: 39). No caso de mais de dois autores, utiliza-se et al. (Ferin et al., 1995).

18. As referências bibliográficas devem seguir as seguintes normas:

• LIVROS: apelido, nome próprio (data), Título, local: editora.

Castells, M. (1989), The Informational City, Oxford: Blackwell.

• CAPÍTULO DE LIVRO: apelido, nome próprio (data), «Título do Capítulo», Nome do Livro, local: editora, páginas.

Hatherly, Ana (1997), «Estratégia da Convicção na Temática dos Cinco Sentidos», O Ladrão Cristalino, Lisboa: Edições Cosmos, pp. 219-231.

• ARTIGO DE PUBLICAÇÃO PERIÓDICA: apelido, nome próprio (data), «Título do Artigo», Nome da Revista, número, local: editora, páginas.

Mateus, Osório (1993), «O Título Roubado», Românica. Revista de Literatura, 1-2, Lisboa: Edições Cosmos, pp. 317-321.

• Citações de diferentes obras do mesmo autor, se publicadas no mesmo ano, devem ser distinguidas com letras (Brown 1990a, 1990b)

19. Os quadros, gráficos e imagens devem ter uma cópia em formato Excel (quadros e gráficos) ou com extensão .jpeg ou .tiff (imagens). A sua localização no texto deve estar claramente indicada.

Lieux

  • Universidade Católica Portuguesa, Faculdade de Ciências Humanas, Palma de Cima
    Lisbonne, Portugal (1649-023)

Dates

  • mardi 30 avril 2013

Contacts

  • Comunicação & Cultura
    courriel : comunicultura [at] fch [dot] lisboa [dot] ucp [dot] pt
  • Centro de Estudos de Comunicação e Cultura
    courriel : cecc [at] fch [dot] lisboa [dot] ucp [dot] pt

Source de l'information

  • Marta Maia
    courriel : martamaia72 [at] yahoo [dot] fr

Pour citer cette annonce

« Pré-guerra(s) », Appel à contribution, Calenda, Publié le mercredi 20 février 2013, http://calenda.org/238806