AccueilTrabalho e trabalhadores: realidades, identidades e processos

*  *  *

Publié le lundi 06 mai 2013 par Marie Pellen

Résumé

O IELT – Instituto de Estudos de Literatura Tradicional – organiza, nos dias 2 e 3 de maio de 2013, o seminário «Trabalho e Trabalhadores: realidades, identidades e processos», que terá lugar na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (Auditório 1, Torre B), com entrada livre. Olhar o trabalho e os trabalhadores no mundo de hoje a partir de várias disciplinas é o objectivo do seminário.

Annonce

Apresentação

Nas últimas décadas, de vários quadrantes e com diferentes matizes, proclamou-se o fim do trabalho. Nas nossas sociedades, a par dos processos de reorganização, deslocalização ou transformação de ofícios tradicionais, atividades industriais e profissões várias, emerge a ideia do seu desaparecimento.

E com ela a de que os trabalhadores, os seus salários, as suas regalias sociais e reivindicações são nocivos à economia e se transformam num mal social. Numa breve reflexão sobre o que se passa no mundo do trabalho, o escritor G. Mordillat afirma: “ontem como hoje, aqueles que trabalham, que ganham a sua vida trabalhando, são considerados como escravos, perdedores numa sociedade que não quer saber senãodo sucesso do dinheiro, da rentabilidade imediata, do libealismo triunfante, do capitalismo cujo herói é sempre um herói individual.”

A representação do trabalho veiculada pela comunicação social refere-se sobretudo ao emprego precário, ao desemprego, à imigração (agora, à emigração). Também na cultura de massas (salvo raras exceções), o trabalho, os operários, os trabalhadores, as suas condições de vida, as suas esperanças e lutas estão ausentes. E, se no nosso imaginário essas figuras são inexistentes, o mesmo ocultamento é ensaiado nas empresas e no mercado de trabalho: cada vez mais se fala em colaboradores no lugar de trabalhadores e afirma-se a necessidade da existência de indivíduos empreendedores no lugar de assalariados – pretendendo-se mesmo ver o problema social do desemprego como um problema individual de empregabilidade.

A verdade é que, no quotidiano, contactamos com esses heróis anónimos/coletivos que (direta ou indiretamente) participam nas nossas vidas. São cozinheiros, carteiros, empregados de café, alfaiates, funcionários dos Centros de Emprego e Formação Profissional ou da Segurança Social, auxiliares de educação, operários na indústria têxtil/automóvel /alimentar, etc... trabalhadores.

Simultaneamente, estivadores, professores, maquinistas da CP, médicos, operadores de call center, enfermeiros, condutores da Carris, empregados da grande distribuição, entre outros, têm sido presença constante e organizada nas recentes greves gerais e manifestações de protesto contra a exploração que agora se veste de austeridade.

Apesar de invisíveis ao nosso olhar, o trabalho, os trabalhos e os trabalhadores continuam, portanto, a existir. Este seminário tem por objetivo virar os holofotes na direção dessa realidade.

Assim, pretende-se reunir investigadores de diferentes áreas disciplinares  antropologia, sociologia, história, economia, estudos literários e da tradição oral...) interessados em interrogar e debater o mundo do trabalho contemporâneo, suas continuidades e mudanças, processos e relações, representações e materialidades.

Programa

2 de maio de 2013

Edifício ID, piso 4, sala multiusos 3

Sessão 1 O direito ao trabalho: processos e contextos

09.30 - 11.20

Moderação: Inês Fonseca (CRIA - FCSH/UNL)

Abertura - Ana Paula Guimarães (IELT - FCSH/UNL)

João Edral (IELT-FCSH/UNL) e Solange Carvalho (MemoriaMedia)
Cobrir o Corpo (documentário)

Manuel Branco (NICPRI)
Economia Política do direito ao trabalho

Raquel Varela (IHC-FCSH/UNL)
Crises económicas e mercado laboral em Portugal: uma perspectiva marxista em debate

Paulo Marques Alves (DINÂMIA-CET-IUL / ISCTE-IUL) e Raúl Tomé (ISCTE-IUL)
Fim do trabalho: mito ou realidade?

Sessão 2 | Trabalho ausente e exclusão social

11.40 - 13.20

Moderação: Joana Alcântara (IELT - FCSH/UNL)

Helena Carvalho (UM)
Identidade profissional nas sociedades de risco

Bruno Urbano
Trabalho, participação económica e responsabilidade social das empresas

Sónia Mairos Ferreira (FPCE-UC)
Ai esta pena de mim: trabalho, resistência e consentimento na situação de sem-abrigo

Rita Borges das Neves (CICS-UM) e Manuel Carlos Silva (CICS-UM)Agora sou demais velho para trabalhar: uma leitura sociológica do desemprego vivido em fim de carreira profissional

Sessão 3 | Processos de precarização e trajectórias individuais

14.30 - 16.30

moderação: Manuel Branco (NICPRI)

João Miguel Amaral (IHC-FCSH/UNL)
A evolução da protecção no emprego no Portugal democrático

Paulo Marques Alves (DINÂMIA-CET-IUL / ISCTE-IUL) e Martinho Bangula Katúmua (CIES-IUL)
Ainstitucionalização do emprego precário em Portugal

Alfredo Campos (CES-UC)
Trabalho, poder e precariedade - sobre a estruturação dinâmica das relações de trabalho

Inês Fonseca (CRIA-FCSH/UNL)
Nunca tive emprego, mas tenho trabalhado sempre - institucionalização do trabalho informal entre a população trabalhadora da Baixa da Banheira

Pedro Abrantes (CIES-IUL)
Classe trabalhadora e socialização: percursos e identidades laborais dos participantes no programa de reconhecimento de competências (RVCC) na região de Lisboa

Sessão 4 |Práticas de trabalho e relações laborais (I)

16.50 - 18.30

moderação: Inês Fonseca (CRIA - FCSH/UNL)

Isabel Roque (CES/UC)
Precariedade nas linhas de montagem de call centre: um retrato local numa
moldura transnacional

Paula Godinho (IELT-FCSH/UNL)
O retorno ao paleolítico? Produção e depredação, costureiras e lides de rotina

António Ângelo Vasconcelos (IPS-ESE)
O trabalho artístico numa era de criatividade difusa: intermitências, multiactividades, resistências

Liliana Cunha (CEDH/FEP)
Contributos da atividade de trabalho e dos seus protagonistas na construção da história coletiva: o caso dos motoristas de transporte público

3 de Maio de 2013

Edifício ID, 4, piso, sala multiusos 2

Sessão 5 | Práticas de trabalho e relações laborais (II)

09.30 - 11.10

Moderação: Emília Margarida Marques (CRIA - FCSH/UNL)

Arlinda Cabral (CESNOVA-FCSH/UNL)
Trajectórias profissionais de diplomados do ensino superior: da condição objectiva - relação subjectiva com o trabalho remunerado

Ana Paula Pereira Marques (CICS-UM)
Na encruzilhada da (in)dependência profissional: estratégias de autoemprego de jovens diplomados

Alan Stoleroff (ISCTE-IUL) e Patrícia Santos (CIES-IUL)
Retratos a partir de dentro da profissão de professor: continuidades e descontinuidades em tempos de reformas gestionárias

Manuel Abrantes (SOCIUS-ISEG/UTL) e Sofia Cruz (FEP; IS-UP)
Limpeza comercial e limpeza doméstica: a mesma actividade, diferentes relações de emprego?

Sessão 6 | O trabalho vivido (I)

11.30 - 13.20

Moderação: Filomena Sousa (IELT - FCSH/UNL)

Inês Mestre (FCSH/UNL)

Luiz da Rocha (documentário)

Bruno Monteiro (IS-UP)
Aprender a arte. Incorporação, senso prático e capital corporal numa fábrica de mobiliário do Noroeste português

Joana Alcântara (IELT-FCSH/UNL) e João Edral (IELT-FCSH/UNL)
O dedal de alfaiate e o banquinho de costureira: discursos e práticas de costura em contextos de alfaiataria

Miguel Rego (CMCV)
Trabalhávamos como homens e ganhávamos como crianças - testemunhos de uma geração de mineiros que nunca foi mineira

Sessão 7 | O trabalho vivido (II)

14.30 - 15.50

Moderação: Paula Godinho (IELT - FCSH/UNL)

Madalena Patriarca (ICS-UL)
Fazer ciência, construir o cidadão mentalmente são, desconstruir o Estado. O que faz o trabalho do psiquiatra?

Catarina Gouveia Alves (GEFAC)
Cava vida, uma abordagem - realidade dos coveiros portugueses

Filomena Sousa (IELT-FCSH/UNL)
Memórias dos trabalhadores rurais - a apanha da cereja no concelho de Alenquer

(com projecção de documentário )

Sessão 8 | Práticas e discursos de controlo sobre os trabalhadores

16.10 - 18.10

Moderação: João Edral (IELT - FCSH/UNL)

Vanessa de Almeida (CMB)
Paternalismo industrial e luta de classes na CUF Barreiro

João Leitão (IPG)
O trabalho no têxtil da Covilhã

Maria Amália André Marques (ESCE-IPS)
Novos modelos de organizaçao do trabalho: a percepção dos trabalhadores

Vander Casaqui (ESPM-SP)
Ideologia do empreendedorismo social: representações do trabalho em tempos de crise do Estado Social português

José Nuno Matos (ICS-UL)
Ser-se trabalhador: o quadro emocional do capitalismo cognitivo

Comissão científica:

  • Emília Margarida Marques (CRIA/IUL)
  • Inês Fonseca (CRIA/FCSH-UNL)
  • Manuel Branco (NICPRI.UÉ)
  • Paula Godinho (IELT/FCSH-UNL)
  • Silvestre Lacerda (DGLAB)

Organização:

  • Carolina Vilardouro (IELT/FCSH-UNL)
  • Filipa Soares (IELT/FCSH-UNL)
  • Joana Alcântara (IELT/FCSH-UNL)
  • João Edral (IELT/FCSH-UNL)
  • Paula Godinho (IELT/FCSH-UNL)

O seminário terá lugar no Auditório 1, Torre B, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, nos dias 2 e 3 de maio de 2013.

Lieux

  • Faculdade de Ciências Sociais e Humanas - Universidade Nova de Lisboa - Avenida de Berna, 26 - C
    Lisbonne, Portugal (1069-061)

Dates

  • jeudi 02 mai 2013
  • vendredi 03 mai 2013

Contacts

  • Trabalho e trabalhadores: realidades, identidades e processos
    courriel : trabalhoetrabalhadores2013 [at] gmail [dot] com

Source de l'information

  • Marta Maia
    courriel : martamaia72 [at] yahoo [dot] fr

Pour citer cette annonce

« Trabalho e trabalhadores: realidades, identidades e processos », Colloque, Calenda, Publié le lundi 06 mai 2013, http://calenda.org/247938