AccueilCadernos de arte e antropologia

*  *  *

Publié le mardi 10 décembre 2013 par Marie Pellen

Résumé

Cadernos de Arte e Antropologia é uma revista bianual que enfoca os campos de ligação entre as ciências sociais e as artes. A revista publica, com um sistema de arbitragem por pares, tanto artigos científicos "convencionais" como conteúdos textuais, audiovisuais e multimídia que não se enquadram nos meios habituais da comunicação acadêmica, sempre que estes contribuam decisivamente para debater e questionar as fronteiras entre o campo científico e o artístico, entre o analítico e o sintético, entre o visual e o textual. Os Cadernos de Arte e Antropologia estão aceitando propostas de publicação para os seus próximos números em regime de fluxo contínuo.

Annonce

Os Cadernos de Arte e Antropologia estão aceitando propostas de publicação para os seus próximos números em regime de fluxo contínuo (não há prazos para a submissão).


Veja os detalhes no site da revista: http://www.portalseer.ufba.br/index.php/cadernosaa/index

Foco e Escopo

Cadernos de Arte e Antropologia é uma revista bianual que enfoca os campos de ligação entre as ciências sociais e as artes. A revista publica, com um sistema de arbitragem por pares, tanto artigos científicos "convencionais" como conteúdos textuais, audiovisuais e multimídia que não se enquadram nos meios habituais da comunicação acadêmica, sempre que estes contribuam decisivamente para debater e questionar as fronteiras entre o campo científico e o artístico, entre o analítico e o sintético, entre o visual e o textual. Procuramos dar expressão, principalmente, a registros (a) de artistas visuais que lidam com a etnografia ou a antropologia enquanto patrimônio conceptual e metodológico; e (b) de cientistas sociais que buscam um convívio próximo com as imagens e a visualidade enquanto repertório empírico, conceptual e experiencial. A revista dá preferência a contribuições que demonstrem um claro enfoque antropológico (ou sociológico) em termos metodológicos, conceptuais, empíricos ou teóricos. Nos casos em que não existe esse enquadramento a comissão editorial avaliará a eventual pertinência da publicação, em função da qualidade do mesmo.

As línguas de publicação são o português, o inglês, o espanhol e o francês.

Os Cadernos procuram colocar em prática uma ideia já antiga, surgida durante a denominada "crise de representação" - abrir as fronteiras da escrita acadêmica, vista como limitadora e de uma duvidosa "objetividade", e ultrapassar a brecha entre "análise" e "descrição", na qual muitas vezes se baseia a menor valorização de outras formas de representação de saberes dentro das ciências institucionalmente consagradas. Neste contexto a Antropologia Visual tem vindo a desempenhar um papel particularmente relevante. As suas experiências prometedoras - que estimularam não somente um cinema "novo", mas também a reavaliação do corpo teórico da antropologia "clássica" - requerem um espaço diversificado para poderem desenvolver-se e assim fortalecer o diálogo entre a práxis e a teoria da antropologia das/com imagens.

Esta não é, todavia, uma publicação destinada exclusivamente, ou preferencialmente, a antropólogos visuais. Os Cadernos pretendem constituir-se como um espaço público, um fórum, para dar visibilidade tanto a etnografias "tradicionais" como àquelas que não se adaptam perfeitamente aos moldes da ciência antropológica acadêmica. Neste sentido, os Cadernos abrem suas páginas para contribuições de gêneros estabelecidos como trans-fronteiriços, tanto da antropologia como de outras disciplinas afim, independentemente do "suporte" em que estes procuram dar forma aos saberes etnográficos.

Políticas de Seção

Artigos

Os Artigos constituem o formato mais tradicional da revista. Os artigos devem conter um número máximo de 7.000 palavras (incluindo referências bibliográficas, notas, resumo e abstract) e podem conter um máximo de 8 fotografias e um máximo de 4 excertos de vídeo (com um máximo de 3 minutos cada).

Ensaios (audio)visuais

Ensaios (audio)visuais: Formato que agrega texto escrito e conteúdos visuais/audiovisuais. Neste caso considera-se uma estrutura próxima do artigo convencional escrito, mas onde existe um diálogo mais próximo com as imagens fotográficas e vídeo.

Foto-ensaios podem conter um máximo de 20 fotografias.

Vídeo-ensaios devem preferencialmente conter o máximo de 5 excertos vídeo de 5 min. cada.

Os CdAA podem, todavia, se o interesse científico e a qualidade dos conteúdos o justificarem, aceitar os seguintes formatos:
  1. Vídeos resultantes de processos de pesquisa empírica (vídeo de entrevistas, processos sociais, rituais, ambientes) com interesse etnográfico/antropológico. Estes devem ser sempre acompanhados por um texto que não deve exceder as 3.000 palavras onde se faz a contextualização científica da pesquisa e a pertinência das imagens captadas e propostas aos CAA. Os vídeos não devem exceder os 15/20 min.
  2. Filmes/vídeos completos que resultem de processos de pesquisa etnográfica ou que apresentam inquestionável interesse etnográfico/antropológico. Estes devem ser acompanhados de uma sinopse, de uma contextualização etnográfica/científica e não podem estar disponíveis na totalidade em nenhuma plataforma online. Os vídeos não devem exceder os 30 min.
  3. Filmes/vídeos artísticos de natureza mais experimental que resultem de processos de produção de natureza etnográfica ou que, de alguma forma, contribuam de forma significativa para os debates sobre a intersecção arte/ciência, epistemologia/estética no quadro das ciências sociais. Estes devem ser acompanhados de uma sinopse, de uma contextualização etnográfica/científica e não podem estar disponíveis na totalidade em nenhuma plataforma online. Os vídeos não devem exceder os 30 min.

Etno-artes

Etno-artes são (a) trabalhos que não se enquadram nos formatos tradicionais das ciências sociais e que pretendem reflectir sobre questões relevantes às ciências sociais por meio de abordagens experimentais, ou (b) projectos artísticos que, de alguma forma, se articulam com os objectos e temáticas da antropologia e da etnografia.

Diários de campo

Os Diários de campo são extractos de apontamentos feitos pelo pesquisador em campo. Devem ser acompanhados por um texto de contextualização e conter com um número máximo de 2.500 palavras.

Resenhas/Recensões

As Resenhas/Recensões são textos que criticamente apreciam outras publicações, como livros, artigos, filmes do campo das ciências sociais, procurando dar um enquadramento dos trabalhos recenseados em relação ao "estado das arte" da sua respectiva área. Podem conter um número máximo de 4.000 palavras (incluindo referências bibliográficas e notas).

Editores

Maria Rosário Gonçalves de Carvalho, UFBA
Peter Anton Zoettl, CRIA-IUL/NAVBA
Ricardo Oliveira Campos, CEMRI (Univ. Aberta)

Comissão Editorial (2014)

Cláudia Vaz, ISCSP
Edgar Gómez, University of Leeds, Reino Unido
Fernando Paulino, ISMAI
Francesca Cozzolino, iiAC/EHESS
Iñigo Sánchez Fuarros, Institut Català d'Antropologia
Jacques Ibanez-Bueno, Univ. de Savoie
Luciano Spinelli, Univ. Paris Descartes Sorbonne
Olivia Kindl, COLSAN
Sonia Vespeira de Almeida, CRIA-UNL

Conselho Consultivo Internacional

Andréa Barbosa, UNIFESP
Andrea Mubi Brighenti, Univ. de Trento
Arnd Schneider, University of Oslo
Carmen Rial, UFSC
Edgar Teodoro da Cunha, UNESP
Filomena Silvano, FCSH-UNL
Jean-Yves Durand, CRIA-UM
Luiz Eduardo Robinson Achutti, UFRGS
Marc-Henri Piault, CEAf/EHESS
Massimo Canevacci, Univ. La Sapienza de Roma/UERJ
Raimundo Martins, UFG 

Dates

  • dimanche 30 mars 2014

Mots-clés

  • antropologia visual, socialogia visual, arte

Contacts

  • Editor Gerente
    courriel : cadernosaa [at] yahoo [dot] com [dot] br

URLS de référence

Source de l'information

  • Peter Anton
    courriel : cadernosaa [at] yahoo [dot] com [dot] br

Pour citer cette annonce

« Cadernos de arte e antropologia », Appel à contribution, Calenda, Publié le mardi 10 décembre 2013, http://calenda.org/270889