Página inicial40 anos de democracia(s): progressos, contradições e prospectivas

Página inicial40 anos de democracia(s): progressos, contradições e prospectivas

40 anos de democracia(s): progressos, contradições e prospectivas

40 ans de démocratie(s) : progrès, contradictions et prospectives

40 años de democracia: progresos, contradicciones y prospectivas

40 years of democracy (ies): progresses, contradictions and prospects

VIII congresso português de sociologia

VIIIème congrès portugais de sociologie

VIII congreso portugués de sociología

VIII Portuguese Sociological Congress

*  *  *

Publicado segunda, 29 de julho de 2013 por Marie Pellen

Resumo

A singularidade portuguesa apresenta hoje novas pontes de comunicação comparativa com outras realidades territoriais, oferecendo-se como um raro laboratório de análise sociológica. Fenómenos de regressão (estrutural e disposicional), de articulação de ritmos assincrónicos de mudança social, de proliferação do risco e da incerteza, conciliação conflitual de modernidades múltiplas numa modernidade inacabada, desafiam-nos a olhar sociologicamente estes últimos 40 anos e também a refletir prospectivamente sobre as tendências e desafios do futuro próximo. É com muito prazer que a Associação Portuguesa de Sociologia (APS) convida sociólogos e outros especialistas nacionais e estrangeiros a submeterem propostas de comunicação até dia 6 de outubro de 2013.

Anúncio

Apresentação  

Em 25 de Abril de 1974 Portugal iniciou, com décadas de atraso, uma transição para a democracia que acelerou de forma singular vastos processos de mudança social. Cientistas sociais de diferentes proveniências nacionais têm vindo a acentuar ligações entre a Revolução Portuguesa e movimentos sociais anteriores e ulteriores no contexto europeu e mesmo global.

Além do mais, a singularidade portuguesa tem ainda outros contornos: desde essa data até hoje Portugal modificou com intensidade inaudita as suas estruturas sociais: completou a transição demográfica (sendo hoje um país fortemente envelhecido, com taxas de fecundidade e nupcialidade muito baixas); passou de país rural a sociedade de serviços; escolarizou-se e urbanizou-se, mas com traços de urbanização difusa e in situ; conferiu à mulher novos papéis e protagonismos; assumiu-se como nação europeia de contornos pós-coloniais (no mesmo território coexistem identidades étnicas e culturas várias); internacionalizou referências e práticas institucionais, nomeadamente na estruturação de um estado-providência de cobertura universal; modificou profundamente práticas culturais e estilos de vida.

No entanto, fê-lo com contradições, assimetrias e desigualdades. Se a intensidade da pobreza diminuiu, o mesmo não se pode dizer das desigualdades, que permanecem elevadas. Democratizou-se politicamente, mas a esfera pública e os movimentos sociais apresentam ainda configurações débeis, exprimindo-se, por parte dos cidadãos, uma elevada distância subjetiva face ao poder. Recebeu vastos contingentes de imigrantes, mas está agora, em plena crise, num contexto de precarização e de desemprego, a reativar a emigração, desta feita com um acréscimo de heterogeneidade, uma vez que inclui fuga de cérebros. Aproxima as performances escolares da média europeia, mas a estrutura da população ativa é ainda arcaica. O Estado-providência transmuta-se em estado social e ameaça quedar-se por um estado mínimo, no momento em que ainda não se tinham alcançado as melhores taxas de cobertura dos serviços públicos e da segurança social.

A singularidade portuguesa apresenta hoje novas pontes de comunicação comparativa com outras realidades territoriais, oferecendo-se como um raro laboratório de análise sociológica. Fenómenos de regressão (estrutural e disposicional), de articulação de ritmos assincrónicos de mudança social, de proliferação do risco e da incerteza, conciliação conflitual de modernidades múltiplas numa modernidade inacabada, desafiam-nos a olhar sociologicamente estes últimos 40 anos e também a refletir prospectivamente sobre as tendências e desafios do futuro próximo.

Apelando à participação de especialistas nacionais e estrangeiros, o VIII Congresso, na linha de edições anteriores, pretende continuar a cimentar os intercâmbios da sociologia portuguesa além-fronteiras, procurando aferir continuidades no conhecimento acumulado, mas também criando oportunidades para a expressão e confronto de novas abordagens.

Secções/Áreas Temáticas em que pode submeter o seu resumo

  • Ambiente e Sociedade [ST]
  • Arte, Cultura e Comunicação [ST]
  • Cidades, Campos e Territórios [AT]
  • Classes, Desigualdades e Políticas Públicas [ST]
  • Conhecimento, Ciência e Tecnologia [ST]
  • Consumo, Sociologia do [ST]
  • Crenças e Religiosidades [AT]
  • Desporto, Sociologia do [ST]
  • Dinâmicas Populacionais, Gerações e Envelhecimento [AT]
  • Direito, Crime e Dependências [AT]
  • Educação, Sociologia da [ST]
  • Emoções, Sociologia das [ST]
  • Experiências Profissionais [AT]
  • Famílias e Curso de Vida [ST]
  • Globalização, Política e Cidadania [AT]
  • Identidades, Valores e Modos de Vida [AT]
  • Migrações, Etnicidade e Racismo [AT]
  • Modernidade, Incerteza e Risco [AT]
  • Pobreza, Exclusão Social e Políticas Sociais [ST]
  • Saúde, Sociologia da [ST]
  • Segurança, Defesa e Forças Armadas [ST]
  • Sexualidade e Género [ST]
  • Teorias e Metodologias [AT]
  • Trabalho, Organizações e Profissões [ST]

Requisitos para apresentação das propostas de comunicação e/ou posters

As propostas de comunicação ou poster devem ser submetidas

até ao dia 6 de outubro 2013

no espaço próprio para a submissão online, na plataforma do VIII Congresso Português de Sociologia, disponível em: http://www.aps.pt/viii_congresso/

Cada autor pode participar num máximo de três propostas de comunicação/poster, mas só pode apresentar oralmente uma delas, devendo inscrever-se, nesse caso, como primeiro autor da mesma. Na finalização do programa só serão consideradas as propostas em que os primeiros autores tenham completado a inscrição, nos prazos determinados.

Os resumos devem ter uma dimensão entre 1750 a 2500 caracteres sem espaço e deverão ser inseridos diretamente pelos autores na plataforma;

Os resumos poderão ser apresentados em português, castelhano, inglês ou francês;

A comunicação dos resultados da avaliação será divulgada até ao dia 30 de novembro de 2013;

A avaliação poderá ser:

  • proposta de comunicação aceite na ST/AT
  • proposta de poster aceite na ST/AT
  • proposta de comunicação não aceite na ST/AT
  • proposta de poster não aceite na ST/AT
  • proposta de comunicação aceite na condição de passar a poster na ST/AT

Poderá ainda suceder que uma proposta submetida a uma determinada Secção/Área Temática seja considerada pelos respetivos avaliadores como ficando melhor enquadrada em outra Secção/Área Temática e consequentemente encaminhada para a mesma, de modo a ser aí avaliada.

Datas a reter

  • Data limite para receção de propostas (resumos/abstracts) 6 de Outubro de 2013
  • Comunicação da avaliação das propostas 30 de Novembro de 2013
  • Data limite para inscrições de autores/as de propostas aceites 31 de Janeiro de 2014
  • 1ª fase das inscrições (valores mais baixos de inscrição) 1 de Dezembro de 2013 a 28 de Fevereiro de 2014
  • Disponibilização do programa e dos resumos no vortal 28 de Fevereiro de 2014
  • Divulgação do programa definitivo do Congresso 15 de Março de 2014
  • Entrega dos poster (upload/ carregamento online) 15 de Março de 2014
  • 2ª fase das inscrições no VIII Congresso (valores mais altos) A partir de 01 de Março de 2014
  • VIII Congresso 14 a 16 de Abril de 2014

Valores e datas das inscrições

Inscrições Até 28 de Fevereiro de 2014

  • Sócios 60 €
  • Sócios Estudantes (1º, 2º ou 3º Ciclo)(Documentado) 30 €
  • Sócios Desempregados (Documentado) 40 €
  • Não Sócios 90 €
  • Não Sócios Estudantes (1º, 2º ou 3º Ciclo)(Documentado)  60 €
  • Não Sócios Desempregados (Documentado)  50 €
  • Voucher VIII Congresso*              110 €
  • Sócios APSIOT    80 €

Após 01 de Março de 2014

Só são feitos reembolsos em caso de desistências comunicadas até 31 de março de 2014.

* Entrada especial para Não Sócios da APS, que inclui a inscrição no Congresso + inscrição na APS/quota 2014 e joia (quota na APS: 45€ e joia: 12.47€)

Organização

http://www.aps.pt/viii_congresso/?area=organizacao&lg=pt

Locais

  • Escola de Ciências Sociais - Colégio Espírito Santo, Largo dos Colegiais, nº 2
    Evora, Portugal

Datas

  • domingo, 06 de outubro de 2013

Contactos

  • isabel rebelo
    courriel : aps [at] aps [dot] pt
  • Ana Romão
    courriel : conf_esarn27 [at] aps [dot] pt

Fonte da informação

  • isabel rebelo
    courriel : aps [at] aps [dot] pt

Para citar este anúncio

« 40 anos de democracia(s): progressos, contradições e prospectivas », Chamada de trabalhos, Calenda, Publicado segunda, 29 de julho de 2013, https://calenda.org/256672

Arquivar este anúncio

  • Google Agenda
  • iCal
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search